Nossos Resultados

Clique aqui e conheça mais sobre a pesquisa realizada pela Universidade de Georgetown, que comprova o impacto positivo, de médio e longo prazo, na qualidade de vida das famílias atendidas pela Associação Saúde Criança.

Média de dias de internação das crianças

Em média, o número de dias que as crianças passaram no hospital caiu de pouco menos de 62 dias na entrada no programa, para menos de 9 dias, o que representa uma redução de quase 90%, três anos após a participação no programa.

Fonte: Pesquisa da Universidade de Georgetown

Evolução da renda das famílias atendidas

Intervenções da ASC melhoraram significativamente o bem-estar econômico e a perspectiva de emprego dos beneficiários. A renda familiar per capita quase dobrou quando comparada entre a entrada no programa e de 3 a 5 anos após a graduação.

Fonte: Pesquisa da Universidade de Georgetown

Evolução da moradia

A casa própria é um passo importante para a autossuficiência econômica dos beneficiários. Em comparação com uma taxa de 25% de proprietários na entrada no Saúde Criança, 50% dos beneficiários são agora donos de suas casas.

Fonte: Pesquisa da Universidade de Georgetown

Percepção de bem-estar das famílias

As melhorias impressionantes na qualidade de vida também se refletem na percepção de bem-estar das famílias. Ao entrar no programa, 56% das famílias identificaram seu bem-estar como "ruim" ou "muito ruim". Após graduar-se, a maioria das famílias melhorou a sua auto-avaliação de bem-estar, o que se reflete nos 51,2% que estão "bem"ou "muito bem".

Fonte: Pesquisa da Universidade de Georgetown

Crianças na escola

A maioria das crianças beneficiadas pela ASC está muito doente para frequentar a escola. O programa da ASC tem um claro impacto positivo sobre a matrícula escolar: a percentagem de crianças doentes que frequentavam a escola passou de cerca de 10% no início do programa para quase 92%, entre 3-5 anos após a participação no programa.

Fonte: Pesquisa da Universidade de Georgetown

Adultos empregados

Houve um aumento substancial na porcentagem de adultos empregados, de 54% na entrada para 70% até 5 anos após a participação no programa.

Fonte: Pesquisa da Universidade de Georgetown